#8 - Gosia Krogulec


Desde que entrevistei a Mãe ao Cubo e que falamos um pouco sobre o babywearing que fiquei com o bichinho e depois de uma amiga me ter "emprestado" um wrap, decidi investigar mais sobre o assunto.
Desde de pesquisa na Internet, leituras sobre o tema noutros blogs de maternidades e até grupos no facebook, descobri então várias pessoas que acredito que me irão ajudar neste tema.
Funtastic Mom: Quem é a Gosia Krogulec?
Gosia Krogulec (GK): Uma mulher, mãe de um menino, sou um ser “híbrido” - polaca e moro em Portugal desde 2011, Portugal é a minha segunda casa 😊
Sou professora de inglês de formação e consultora de babywearing, que nos últimos anos juntamente com a maternidade tem ocupado o meu tempo. Em 2015 fundei a loja Carregados de Amor, um dos primeiros projetos em Portugal dedicados a formação e venda de artigos de babywearing.

Funtastic Mom: Como é que o babywearing chegou à tua vida?
GK: Como em todos os casos, com a chegada de um bebé. O meu filho era e continua ser uma criança sensível, com necessidades emocionais muito intensas, já nasceu assim. Era impossível viver sem porta-bebés. Na altura em Portugal ainda não se falava muito de babywearing ergonómico. Através de conversas com a minha família descobri que na Polónia algumas mães usavam panos e slings para transportar bebés, fui pesquisar, descobri uma enorme quantidade de informação e o vasto mundo de artigos de babywearing. A ideia do pano agradou-me desde o início e logo chegou o meu primeiro pano. Não conseguia fazer nada de jeito com ele... aos poucos fui aprendendo e o pano facilitou-me bastante a vida nos primeiros meses do meu filho.

Funtastic Mom: Podes falar-nos um pouco sobre o que é o babywearing.
GK: É colo “mãos livres”. É manter o bebé perto, em segurança, sem abdicar das suas necessidades e atividades. É seguir o instinto e responder às necessidades do bebé. É simplificar, manter o bebé no seu ambiente natural - o colo - sem precisar de “contentores” como carrinhos, espreguiçadeiras, berços, alcofas... O babywearing é mesmo muita coisa! Um aliado na amamentação – que ajuda ainda mais a simplificar na questão do transporte e da alimentação do bebé. É liberdade para chegar mais longe, é aliado para a vida social da mãe e para ela manter a sua forma física. É empoderar os pais, fazer com que eles voltem a acreditar que eles próprios são o melhor que podem dar ao seu bebé. Acho que para mim é sobretudo uma ferramenta para que a mãe não se esqueça das suas próprias necessidades, mas que as concilie com as necessidades do bebé, com a confiança absoluta em si e com a certeza que está a fazer o melhor para o seu bebé.

Funtastic Mom: Quais os artigos recomendados para a "prática" do babywearing? (RS, mochilas, etc...)
GK: Todos eles. O que é importante é que se coloque o bebé na posição vertical, e que tenham uma base relativamente larga, para apoiar as pernas do bebé fletidas e abertas, e que seja possível ajustá-los de forma que o bebé esteja bem apertadinho contra nós. Deve permanecer sempre colado ao nosso corpo mesmo quando nos movimentamos.

Funtastic Mom: Que cuidados devemos ter na prática do babywearing?
GK: Além do que referi acima, devemos ajustar, ajustar, ajustar... bom ajuste de qualquer porta-bebé é garantia de manutenção de boa postura tanto da mãe como do bebé. Quanto mais pequeno o bebé, menor a capacidade dele de suportar o seu próprio peso, e devemos ser nós a garantir que o corpo dele está bem suportado em toda sua extensão. Além disso, convém evitar atividades de desporto sobretudo de alto impacto, como corridas, saltos (para o corpo do bebé e para o nosso o impacto destas atividades para os ossos e articulações, e para o pavimento pélvico, pode ser muito prejudicial). Embora dança com porta-bebés esteja a ganhar popularidade, também aconselho algum cuidado, pois muitas vezes os movimentos executados são de alto impacto, ou os instrutores não conhecem as necessidades especificas de período pós-parto, nem os princípios de segurança do babywearing, o que pode levar a situações pouco benéficas para a saúde. Em geral, se quiserem praticar desporto com porta-bebés convém que seja orientado por alguém qualificado para o efeito. E claro, devemos evitar tudo que envolva risco de queda. Não convém cozinhar ou passar a ferro com o bebé colocado à frente, pois nestas situações existe um risco aumentado de queimaduras para o bebé.

Funtastic Mom: Quais são, para os bebés, os benefícios associados ao babywearing? E para as mães?
GK: Os benefícios são imensos. Sobretudo, manter o bebé mais tempo ao colo garante-lhe a segurança emocional que é uma das necessidades básicas de um ser humano. Ser carregado diminui o choro, ajuda dormir melhor e manter-se no estado de “calmo alerta” tão necessário para o bom desenvolvimento. Aumentam as possibilidades da estimulação sensorial, do toque, movimento, visão e audição, há mais tempo para conversar com o bebé e para ele aprender, através da observação de caras dos pais e conversando com eles, sobre as emoções. O babywearing ajuda a manter o bebé numa posição que respeita ao máximo a fisiologia dele e aumenta as probabilidades de um desenvolvimento osteo-muscular correto. Para as mães, sobretudo, empodera. Ajuda a sentir que são capazes. Torna possíveis e descomplica as saídas, trabalhos em casa e outras atividades. Diminui o risco de depressão pós-parto, ajuda a manter boa postura, bem feito protege o pavimento pélvico de impacto excessivo. Ajuda a manter a vida social e a fazer novas amizades. É um auxilio no processo de estabelecer laços - conhecer o bebé e aprender a amá-lo (por mais estranho que pareça, esse amor as vezes não aparece no momento de parir, mas isso já é outra conversa).

Funtastic Mom: O babywearing é ao associado muitas vezes às mães mas tem existem pais que o fazem. Qual é a sua opinião sobre o assunto?
GK: Acho muito positivo e necessário que os pais estejam envolvidos em tudo o que é tratar do bebé, e mais tarde, educar uma criança. Como muitas vezes os pais não se sentem aptos para tratar de um bebé pequeno, sendo esta uma atividade supostamente “feminina” (embora não seja), um porta-bebé confortável pode ser muito útil para ajudar empoderar esse papá na sua confiança para tratar do bebé.

Funtastic Mom: Onde podemos comprar artigos de confiança? O que devemos ter em conta na hora da compra? Quais os critérios?
GK: Existem muitas lojas online e começam a aparecer locais físicos. Devemos ter em conta a ergonomia da peça que estamos a comprar – se vai permitir e suportar a posição de pernas fletidas, abertas, e ajustar-se bem para suportar as costas do bebé. Quando possível, é melhor procurar artigos em que não foram usadas substancias tóxicas e que possuam certificações para comprovar, embora isso seja apenas uma gota do bom no oceano de produtos potencialmente tóxicos com que os nossos bebés contactam desde que nascem (roupinhas, chupetas, brinquedos, plástico...). É sempre bom optar por uma peça evolutiva, no caso de mochilas ou mei-tais, pois vai servir mais tempo e adaptar-se melhor a um bebé pequeno. Numa loja especializada em porta-bebés o vendedor de certeza será apto para aconselhar na escolha. Fazer uma consulta antes da compra também é uma boa ideia, para ter a certeza absoluta que a família vai adaptar-se ao porta-bebé.

Funtastic Mom: Se quiseremos contactá-te para um consulta, como e onde o devemos fazer?
GK: No nosso site Carregados de Amor (carregadosdeamor.com) temos um formulário de contacto para este efeito: http://www.carregadosdeamor.com/contactos/ . Podem também contactar-nos através do email: ola@carregadosdeamor.com ou o nosso facebook: https://www.facebook.com/carregadosdeamor/. Nos próximos meses, teremos um workshop em Aveiro no dia 12 de Maio, em Viana do Castelo no dia 2 de Junho e em breve também em Guimarães. E nos dias 5 e 6 de Maio estaremos no Salão Ser Mamã no Porto 😊

Comentários